Lenir é empossada para segundo mandato na ALE

Atualizado: 29 de Jan de 2019


Com amplo trabalho de proteção às mulheres, Lenir foi reeleita com quase cinco mil votos e é uma das seis mulheres que ocupam o cargo de deputada estadual na ALE-RR



A deputada Estadual Lenir Rodrigues (PPS) tomou posse na manhã do dia 1º de janeiro de 2019, no plenário da Assembleia Legislativa de Roraima. Para o biênio 2019-2020, Lenir foi eleita quarta secretária da Mesa Diretora da Casa Legislativa.


A cerimônia de posse teve início por volta das 9h50 e foi presidida pelo presidente da Casa, Deputado Jalser Renier (SD). Lenir foi secretária da sessão, juntamente com o deputado Marcelo Cabral (MDB).


No evento de pose, os deputados prestaram juramento com o compromisso do cargo e deram início a assinatura do termo de posse. "Prometi desempenhar fielmente o mandato, promovendo o bem geral do Estado de Roraima, dentro das normas constitucionais. Gratidão a todos que me deram seu voto de confiança para estar aqui. Parabenizo os demais deputados empossados", disse.


A deputada foi reeleita ao cargo com 4.947 votos e fará parte da maior bancada feminina do Poder Legislativo, de 2019 a 2022. Dos 24 parlamentares eleitos para a 8ª Legislatura na Assembleia Legislativa de Roraima, seis são mulheres.


"É um avanço, mas o número ainda representa um terço dos homens no parlamento. O ideal seria metade dos parlamentares serem mulheres, para que haja uma satisfatória representatividade para tratar pautas femininas na casa", destacou.




A deputada está à frente da Procuradoria Especial da Mulher desde 2015. Na gestão de Lenir, foram criados os Núcleos Reflexivo Reconstruir e de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, cujo trabalho passou a ser reconhecido pela ONU (Organização das Nações Unidas).


Foi relatora de projetos como o Plano Estadual de Educação, o PCCR da Educação, e projetos de interesse social para a Defensoria Pública, Tribunal de Justiça, Ministério Público, Tribunal de Contas e o Ministério Público de Contas. Defendeu para o orçamento de 2018, R$ 10 milhões para progressões de profissionais da Educação e R$ 6 milhões para progressões de profissionais da saúde.


Lenir Rodrigues Santos é casada, defensora pública, formada em Direito, Letras, Pedagogia, mestre em Antropologia e doutora em Direito Internacional. Presidiu, na Assembleia Legislativa, a Comissão de Educação, Desportos e Lazer e integrou as seguintes comissões: de Defesa dos Direitos da Família, da Mulher, da Criança, do Adolescente e Ação Social; de Políticas Indigenistas; de Viação, Transporte e Obras; e de Constituição, Justiça e Redação Final.


Lenir foi a segunda mulher mais bem votada para deputada estadual


A deputada foi reeleita com quase cinco mil votos em todo o Estado, sendo uma das seis mulheres que foram eleitas para o cargo de deputada estadual. A deputada foi a segunda mulher mais bem votada e sétima entre todos os candidatos.


Após a reeleição, Lenir diz ter o sentimento de dever cumprido. “Foi uma campanha limpa e séria e a vitória é resultado de um trabalho em equipe e também fruto da minha longa caminhada na vida pública. Estou feliz pelo reconhecimento do trabalho que desenvolvi neste mandato”.


A deputada comemora o aumento de mulheres eleitas na Assembleia, mas para ela, Roraima ainda está atrás quando o assunto é a presença feminina na política.


“Parabenizo todas as mulheres eleitas, mas a luta continua. Precisamos de mais de representatividade na política para termos um olhar diferenciado nas pautas femininas e na construção de políticas públicas voltadas para os direitos da mulher”.


O foco do novo mandato será a continuidade do trabalho que Lenir já vem realizando à frente do Chame e da Procuradoria Especial da Mulher, além de propor novos projetos nas áreas de educação, saúde e inclusão social. A deputada também pretende fortalecer o Observatório Estadual da mulher e cobrar a criação da defensoria pública no bairro Pintolândia.


A deputada parabenizou também a eleição de Joênia Wapichana para deputada federal, pois há quatro anos não existia nenhuma representação indígena feminina em Brasília. Lenir disse que a conquista é um marco para a política nacional.

16 visualizações