LENIR RODRIGUES ENALTECE TRABALHO PIONEIRO DA ALE-RR NA RESSOCIALIZAÇÃO DE HOMENS AGRESSORES


Publicado em 3 de dezembro de 2019 Iniciativa começou em 2016, e só neste ano já registrou mais de 90 atendimentos – Foto: H.Emiliano


A deputada Lenir Rodrigues (Cidadania) enalteceu o trabalho na Procuradoria Especial da Mulher, por meio do Núcleo Reflexivo Reconstruir, na ressocialização de homens agressores em casos de violência doméstica. Ela falou do sucesso deste trabalho durante pronunciamento na manhã desta terça-feira, 3, na Assembleia Legislativa.

A iniciativa da Assembleia Legislativa de Roraima foi instaurada em 2016 como um trabalho é pioneiro. O Núcleo trabalha por meio de 10 reuniões, temas que envolvem o homem dentro da família, na sociedade e como indivíduo, com o intuito de sensibilizar o atendido sobre seus atos. “Isso significa que esses homens vão reconhecer na sua masculinidade que eles não devem ser machistas e não devem nunca mais cometer violência doméstica”, destacou a deputada.

Segundo Lenir Rodrigues, só neste ano, 91 homens foram atendidos pela unidade, sendo 31 apenas no mês de novembro. “Vimos que não bastava ficar dando palestra de Lei Maria da Penha para as mulheres, mas para os homens, são eles que precisam parar de ser machistas”.

Além deste trabalho, a parlamentar pontuou a atuação do Chame (Centro Humanitário de Apoio a Mulher), responsável pelo acolhimento da vítima de violência doméstica, e do Núcleo de Promoção, Prevenção a Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, ambos ligados também a Procuradoria. “O Chame fez 10 anos. Esta Casa conseguiu nesse período o reconhecimento nacional do Chame. Nós conseguimos receber a maior comenda do Congresso Nacional que é o Prêmio Doutor Pinotti”, exemplificou Lenir Rodrigues.

Em seu discurso, ela pontuou ainda que a cartilha desenvolvida pelo Núcleo de Prevenção de Tráfico de Pessoas, para alertar sobre o crime, foi reconhecida pela ONU (Organização das Nações Unidas), sendo considerada a mais adequada para orientação sobre o tema. “Nossa cartilha foi traduzida para mais de 50 países. A Assembleia Legislativa tem trabalho, e é isso que devemos falar aqui”, finalizou.

Bárbara Araújo Fonte: www.roraimaemfoco.com.br

2 visualizações