Deputados da CPI da Saúde ouvem ex-secretário Allan Garcês em Brasília


Legenda foto: O interrogatório pouco acrescentou às informações que a CPI já possuía


A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Saúde da Assembleia Legislativa ouviu na terça-feira, dia 10 de março, o ex-secretário estadual de Saúde, Allan Garcês, e o ex-secretário-adjunto, Rodrigo Santana, na sede União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais – UNALE em Brasília.

Participaram do interrogatório os deputados Coronel Chagas (PRTB), presidente da CPI da Saúde, Nilton Sindpol (Patri), vice-presidente, Jorge Everton (MDB), relator, além dos membros Renato Silva (Republicanos), Soldado Sampaio (PCdoB) e Lenir Rodrigues (Cidadania).

Os ex-secretários foram convocados pela CPI da Saúde para prestar esclarecimentos sobre a situação de contratos firmados entre a Secretaria Estadual de Saúde e empresas terceirizadas fornecedoras de produtos e serviços. Essa é a principal linha de investigação da CPI, criada em setembro do ano passado pela Mesa Diretora da Assembleia.

Allan Garcez passou apenas 43 dias no cargo, e em redes sociais disse que a corrupção não deixou que ele trabalhasse. Ele chegou a atribuir a demissão ao anúncio de uma auditoria interna na Secretaria.

De acordo com a deputada Lenir Rodrigues (CIDADANIA), os membros da CPI buscaram esclarecer dúvidas sobre os contratos da secretaria, sobre desvio de recursos públicos, a questão da ingerência política na gestão da SESAU. A expectativa dos parlamentares não se confirmou, apesar da afirmação do ex-secretário de que iria abrir o jogo na CPI.

“Nós acreditamos que ia ser um depoimento bombástico mas ficamos bastante decepcionados com as informações que ele nos deu, que eram fatos que já era de nosso conhecimento”, disse Lenir Rodrigues. O ex-secretário não apresentou provas sobre os assuntos que a CPI está investigando.

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Arquivo/SupCom ALE-RR

SupCom ALE-RR


11 visualizações